Meio&Mensagem
Publicidade

Impossível dizer quantos negócios cabem em um smartphone

A condição remota deu mais vida aos smartphones e impulsionou a “App Economy”


5 de novembro de 2021 - 17h29

Tomer Bar Zeev, cofundador e CEO da IronSource, esteve no palco Content Makers no último dia de Web Summit, em conversa moderada por minha amiga Rute Vasco, fundadora do Next Big Idea para falar sobre esse avanço dos Apps. A ironSource é uma empresa de Tel Aviv que desenvolve tecnologias para monetização e distribuição de app. Segundo o CEO, trata-se de uma plataforma empresarial que possui dois componentes, os criadores dos aplicativos e os operadores de telecomunicações, juntos definem aquilo que ele chama de “App Economy”.

No Web Summit não se falou apenas sobre os rumos da tecnologia ou das novas fronteiras no universo digital, se falou também de gente (Créditos: Miguel Caeiro)

O projeto dessa empresa de Israel é desenvolver as plataformas de negócio com motivação, permitindo que os criadores dos novos projetos se dediquem no conteúdo, nos aplicativos, a parte dele é transformar isso em negócio. E a empresa, que fez IPO recentemente, cresce nessa área mostrando que a produção de novas ideias para os
smartphones não para e todos têm espaço para estar ali dentro.

Mas no Web Summit não se falou apenas sobre os rumos da tecnologia ou das novas fronteiras no universo digital, se falou também de gente. No mundo que se encaixa cada vez mais no modelo híbrido – remoto e presencial – desenvolver carreiras, observar talentos e potencializar migração de áreas será um desafio a ser ajustado
com a nova realidade.

As distâncias não são mais problema, hoje as empresas têm a possibilidade de contratar um engenheiro de dados que resida em outro país, para desenvolver o produto de um cliente num terceiro país. Entretanto um estudo da Microsoft afirma que trabalhar remotamente dificulta a produtividade e a inovação. Estamos saindo daquele período de lua de mel do trabalho remoto e debatendo o que é preciso para afinar as cordas desse novo instrumento de trabalho.

Esse movimento de trabalho remoto, na verdade, acelerou na pandemia. Antes dela já havia muito. Especialmente em ambiente digital como o da VidMob, onde um criativo de Moscou pode ter o perfil adequado para desenvolver a peça de um cliente da empresa no Brasil, por exemplo. A plataforma de criativos já funciona assim e essa acaba sendo uma vantagem competitiva.

A maneira híbrida parece ser o meio mais adequado, especialmente depois de termos vivido isolados quase dois anos. O trabalho presencial gera o permanente debate de ideias, a participação efetiva nos processos de desenvolvimento e o compartilhamento constante de conhecimento, tudo isso ganha mais intensidade no presencial. O desempenho pessoal muitas vezes aumenta no trabalho remoto, enquanto o das equipes sai prejudicado. Um time rende mais no presencial e um dos motivos principais é a comunicação com menos falhas, direta e rápida.

A produtividade no presencial aumenta conforme as pessoas estão mais tempo juntas. As barreiras de comunicação e entendimento vão caindo e flui de forma mais clara. Quando essas mesmas pessoas voltam para o remoto, em pouco tempo erguem novas barreiras e a produtividade cai. Enquanto no presencial um membro de um time tira sua dúvida em poucos segundos, no remoto isso pode demorar mais tempo. Esses são apenas alguns dos ajustes que estarão em nossas pautas de gestão de pessoas e foi pauta de debate no Web Summit, mas a VidMob já tem isso no radar há anos.

Foi, enfim, mais uma oportunidade de encontrar gestores com grandes ideias, profissionais de marketing de grandes marcas e entender o que está por vir nos próximos meses. Nossa presença se encerrou com a promoção de uma conversa com nossos clientes Ander Lopez Ochoa, da Johnson & Johnson e Rodrigo Costa, da Sumol, que falaram sobre desempenho nas redes sociais, entre elas o TikTok. Tivemos a presença de uma plateia interessada no processo de Inteligência Criativa desenvolvido pela VidMob e que já faz parte do dia a dia de grandes empresas globais. A conversa foi moderada por Anthony Lamy, da VidMob.

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio