Meio&Mensagem
Publicidade

IA: ferramenta poderosa, mas uma arma formidável

Para Brad Smith, CEO da Microsoft, é necessário que governos e grandes empresas de tecnologia trabalhem juntos para desenvolver padrões éticos aos computadores

Salvador Strano
6 de novembro de 2019 - 11h30

Em 2001: Uma Odisseia no Espaço, o computador Hal 9000 personifica os medos da humanidade em relação à inteligência artificial. (Crédito: reprodução)

Se há algo que personifica os medos da humanidade sobre a inteligência artificial, este algo, ou alguém, é o Hal 9000. O personagem de Arthur C. Clarke imortalizado por Stanley Kubrick no filme 2001: Uma Odisseia no Espaço mantém o seguinte padrão, explica Brad Smith, presidente da Microsoft: o ser humano constrói uma máquina que pensa, ela se torna mais poderosa que a espécia geradora e, recorrentemente, escraviza ou elimina as pessoas. E o padrão se repete em inúmeras tramas de cinema.

“Esses filmes geram uma reflexão muito importante: não devemos apenas nos perguntar apenas o que a inteligência artificial pode fazer, mas o que ela deve fazer. Somos a primeira geração na história da humanidade que dará a oportunidade a máquinas de tomar decisões sozinhas. Se errarmos, todas as gerações seguintes pagarão um preço”, afirma o executivo.

Brad Smith: “Precisamos endereçar o problema de frente, e mostrar que grandes empresas de tecnologia estão comprometidas a usar tecnologia para resolver os grandes problemas do mundo” (Crédito: Web Summit)

Na visão de Smith, é necessário um trabalho constante e próximo entre governos e grandes empresas de tecnologia para definir padrões éticos e limites ao desenvolvimento de inteligência artificial. Neste balaio, entram questões como segurança da informação pessoal de bilhões de pessoas, mas também o fornecimento de banda larga à parcela da população mundial que ainda não tem acesso à internet de alta qualidade. “Precisamos reconhecer que sem banda larga, uma comunidade não pode atrair trabalhos, estar na fronteira da medicina ou educação”, diz.

Para ele, é necessário, então, olhar para o passado em busca de caminhos semelhantes para problemas de igual magnitude. Nos EUA, por exemplo, foi também necessário que o governo fizesse uma parceria com uma empresa privada de fornecimento de energia elétrica para disseminar a novidade para todos os cantos do país.

“Precisamos endereçar o problema de frente, e mostrar que grandes empresas de tecnologia estão comprometidas a usar tecnologia para resolver os grandes problemas do mundo”, finaliza.

Publicidade

Compartilhe

  • Temas

  • Arthur C. Clarke

  • Brad Smith

  • Stanley Kubrick

  • 2001: uma odisseia no espaço

  • big techs

  • governo

  • inteligência artificial

  • regulamentação

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio